A importância do COSIF e sua dinâmica de atualização: reflexão sobre o Novo COSIF

O Plano de Contas do Banco Central do Brasil está passando por atualização: em 2025 entra em vigor o Novo COSIF. Saiba mais!

Compartilhe

O Plano de Contas do Banco Central do Brasil, conhecido como COSIF, está passando por atualização. A partir de 2025, entra em vigor o Novo COSIF, que trará atualizações importantes. Mas, antes de abordar esse assunto, vamos começar pelo básico.

O COSIF é um conjunto de normas e procedimentos contábeis estabelecidos pelo Banco Central, que devem ser seguidos pelas instituições financeiras e demais entidades supervisionadas pela autoridade monetária brasileira. Trata-se de uma ferramenta essencial para padronizar a estrutura e a apresentação das informações contábeis do setor financeiro.

É ele que define a estrutura das contas contábeis e estabelece regras específicas de registro, classificação, avaliação e evidenciação dos eventos econômico-financeiros das instituições. Além disso, abrange uma ampla gama de tópicos, incluindo o plano de contas propriamente dito, normas de escrituração contábil, critérios de avaliação de ativos e passivos, provisões, critérios de reconhecimento de receitas e despesas, dentre outros.

Quer saber mais sobre esse tema e conhecer as mudanças que serão implementadas pelo Novo COSIF? Basta continuar a leitura!

Quais os objetivos do COSIF e qual sua importância?

O COSIF tem como principais objetivos a harmonização das práticas contábeis, a transparência das informações financeiras, a uniformização dos critérios de mensuração e registro dos eventos contábeis. Além disso, ele visa a facilitar a análise e a comparação das demonstrações financeiras das instituições supervisionadas pelo Banco Central.

Sua importância reside na necessidade de garantir que as instituições financeiras forneçam informações contábeis precisas e confiáveis, permitindo uma análise adequada do seu desempenho financeiro, solidez e riscos. Em outras palavras, o COSIF contribui para a transparência do sistema financeiro e para a segurança dos investidores, clientes e demais partes interessadas.

Qual a estrutura do COSIF?

O COSIF é organizado em quatro níveis hierárquicos, que compreendem grupos, subgrupos, contas e subtítulos. Cada nível possui uma função específica na estruturação das informações contábeis.

Os grupos e subgrupos representam grandes áreas de atividades e contas contábeis, enquanto as contas e subtítulos representam as contas individuais e suas subdivisões.

Além da estrutura das contas contábeis, o COSIF também apresenta instruções sobre critérios de avaliação de ativos e passivos, tratamento de provisões, critérios para reconhecimento de receitas e despesas, normas para consolidação das demonstrações financeiras, entre outros aspectos relevantes.

O que esperar do Novo COSIF?

O COSIF é atualizado periodicamente pelo Banco Central, com o objetivo de adequá-lo às mudanças nas práticas contábeis, nas normas internacionais e às necessidades do mercado financeiro.

Essas atualizações podem ser decorrentes de alterações legislativas, normativas ou evoluções das práticas contábeis internacionais.

Um desses exemplos é o novo COSIF que entra em vigor em janeiro de 2025, em que teremos como principal mudança a nova estrutura do plano de contas:

Contas 1 – Ativo: engloba os bens e direitos detidos pelas instituições financeiras, como caixa, títulos, empréstimos, entre outros.

Contas 2 – Passivo: compreende as obrigações das instituições financeiras, como depósitos, empréstimos captados, entre outros.

Contas 3 – Patrimônio Líquido: representa o capital próprio das instituições financeiras, incluindo o capital social, as reservas e os lucros acumulados.

Contas 4 e 5- Contas de Resultado: abrange as contas de receitas e despesas, como juros recebidos, despesas administrativas, entre outros.

Contas 8 e 9 – Contas de Compensação: inclui as contas utilizadas para registrar operações de controle.

A correta aplicação e observância do COSIF pelas instituições financeiras são verificadas pelo Banco Central, através de auditorias e análises das demonstrações financeiras e dos relatórios contábeis apresentados pelas instituições.

A não conformidade com as normas do Plano Contábil das Instituições do Sistema Financeiro pode acarretar penalidades e medidas corretivas por parte do Banco Central. Por isso, é fundamental conhecer as mudanças implementadas pelo Novo COSIF e traçar uma estratégia para sua implementação desde já!

Achou esse conteúdo útil? Então, inscreva-se em nossa newsletter e não perca nenhuma de nossas publicações. O formulário encontra-se no final da página!

Explore mais

Preencha o formulário:

Preencha o formulário: